PERÍCIA MÉDICA: 5 CUIDADOS AO AGENDAR

perícia médica cinco cuidados

PERÍCIA MÉDICA: 5 CUIDADOS AO AGENDAR

A maioria do segurados do INSS já passou por dificuldades na hora de requerer um benefício, não é mesmo? As dificuldades começam já no agendamento da perícia que pode levar cerca de 45 a 90 dias.

Além disso, no dia do atendimento é provável que o segurado espere longas horas até ser atendido na agência. É muita burocracia, atrasos e falta de servidores para prestar um atendimento adequado.

A demora no agendamento da perícia é tamanha que quando o segurado é atendido pode até mesmo já estar recuperado.

Nesses casos, a perícia se resumiria à documentação médica, já que o os sintomas não poderiam mais ser detectados pelo exame físico.

Por outro lado, muitas vezes o perito não analisa adequadamente a documentação médica que é fornecida, negando o benefício que seria devido.

Então, o que fazer diante de tantas barreiras?

Aqui vão alguns cuidados para você se proteger das falhas do INSS e não perder seu precioso tempo e energia.

Quando a perícia médica é marcada para 45, 60 ou até 90 dias da data do requerimento.

Nesses casos, o segurado deve reunir toda a documentação médica recente que recebeu do seu médico particular. Deve ainda continuar se consultando com seus médicos até a data da perícia.

Isso é necessário porque a perícia será feita com base na documentação que o segurado fornecer ao perito. Além disso, o benefício será concedido durante todo o período em que o segurado esteve incapaz.

O perito do INSS não analisou adequadamente a documentação médica.

É importante dizer que o perito deve sempre analisar os documentos médicos do segurado da forma mais adequada possível. Além disso, o segurado deve exigir o laudo, que em regra fica disponível em até 24 horas na própria agência ou na internet.

Se o benefício for negado, o segurado poderá ingressar com recurso no próprio INSS, juntando a sua documentação médica e o laudo da perícia. O ideal é que o recurso seja feito por advogado, pois o segurado não tem o necessário conhecimento técnico.

A perícia foi feita por médico não especialista.

Muitas vezes a perícia do INSS é feita por perito com especialização diferente daquela que o segurado precisa. Um perito especializado em cardiologia não fará uma boa perícia se o segurado tiver um problema de coluna, não é verdade?

Mais uma vez, o recurso será uma das soluções, porque uma perícia feita desta forma, não pode nem mesmo ser considerada como realizada.

Consulte os serviços do INSS pela internet.

O INSS disponibiliza serviços de consulta e agendamento pelo site https://meu.inss.gov.br. Basta o segurado fazer um breve cadastro pessoal, com a escolha de uma senha de acesso.  

Após o cadastro ele poderá consultar a data de sua perícia e o seu resultado sem precisar sair de casa.

Quando seu atestado médico não tem prazo de recuperação.

É comum que o médico particular não coloque no atestado médico o prazo de recuperação da doença ou lesão. Esta informação é essencial porque o INSS poderá revogar o benefício após 120 dias da sua concessão.

A possibilidade do benefício ser revogado será bem menor se houver indicação do médico particular em laudo de que o segurado deve permanecer em gozo do benefício por mais de 120 dias.

Por isso, peça sempre do seu médico particular que coloque o prazo de sua recuperação, caso esta seja superior a 120 dias.

Além dos cuidados acima, é sempre recomendável que o segurado busque auxílio profissional, principalmente quando ele já teve o seu benefício negado, pois o prazo do recurso é apenas de 30 dias.

Até porque os recursos são julgados pelo Conselho de Recursos da Seguridade Social, órgão administrativo independente do INSS.

Gostou do artigo? Então deixe seu comentário ou sua dúvida que responderemos o mais breve possível.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *







vinte − 15 =